Tartaruga marinha e gaivota passam por tratamento após resgate na praia

Tartaruga chegou afogada, com anemia e desidratação e a ave apresentou intoxicação alimentar causada pela ingestão de lixoLATERAL Biopesca

Uma tartaruga-verde e uma gaivota estão recebendo cuidados na Unidade de Estabilização (UE) do Instituto Biopesca, após serem resgatadas em praias de Peruíbe e de Praia Grande no final do mês passado.

De acordo com a veterinária da entidade, Pryscilla Maracini, a tartaruga chegou afogada, caquética, com anemia e desidratação. “Sempre fazemos manobra de desafogamento no primeiro atendimento, foi quando vimos a água saindo pela boca. Ela então recebeu soro e medicações na veia para reverter os demais problemas”, explica.

Já a gaivota apresentou intoxicação alimentar causada pela ingestão de lixo e tal ação resultou na paralisação dos membros inferiores. Agora recebe alimentação hipercalórica e as medicações específicas para conter a desintoxicação.

Em breve os dois animais serão reabilitados e poderão voltar ao ambiente natural. Não há data definida para a soltura pois isso dependerá de como os animais reagirão aos tratamentos.

SOBRE - A ação integra o Projeto de Monitoramento de Praias da Bacia de Santos (PMP-BS), executado pela instituição entre Praia Grande e Peruíbe.

O Instituto Biopesca é um dos órgãos que executam o PMP-BS, atividade desenvolvida para o atendimento do licenciamento ambiental federal das atividades da Petrobras de produção e escoamento de petróleo e gás natural no Polo Pré-Sal da Bacia de Santos, conduzido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O projeto tem como objetivo avaliar os possíveis impactos sobre as aves, tartarugas e mamíferos marinhos, por meio do monitoramento e necrópsia dos encontrados mortos e ocorre desde Laguna, em Santa Catarina, até Saquarema, no Rio de Janeiro, sendo dividido em 15 trechos, com o Biopesca no trecho oito.

Para acionar o serviço de resgate basta entrar em contato pelos telefones 0800-6423341 (horário comercial) ou 99601-2570 (WhatsApp e chamada a cobrar).

12/08/2019

Foto: Divulgação Kaio Nunes/Instituto Biopesca

 

Ecovias

ecovias