Oi Rio Pro 2019 começa nesta quinta-feira em Saquarema

 As ondas estão boas na Praia de Itaúna para iniciar a etapa brasileira do World Surf League Championship Tour no primeiro dia, com a primeira chamada às 7h00 na arena principal do evento

Os melhores surfistas do mundo vão começar a se apresentar no Oi Rio Pro 2019 logo no primeiro dia do prazo da etapa brasileira do World Surf League Championship Tour na “Cidade do Surf” da Região dos Lagos do Rio de Janeiro. As ondas estão boas para iniciar a quarta etapa da temporada na quinta-feira, com a primeira chamada marcada para as 7h00 na arena principal do evento na Praia de Itaúna. Na quarta-feira, algumas estrelas da elite mundial atenderam aos jornalistas na Coletiva de Imprensa na WSL House e falaram sobre suas expectativas para o evento, que promete acontecer em boas ondas nessa semana.
No ano passado, o paulista Filipe Toledo conquistou um inédito bicampeonato nas quatro edições do Oi Rio Pro no estado do Rio de Janeiro. Ele ganhou a primeira em 2015 diante de uma multidão impressionante que lotou o Postinho da Barra da Tijuca, que explodiu como um Maracanã lotado com a vitória brasileira.
Entre as meninas, a heptacampeã mundial Stephanie Gilmore festejou seu primeiro título no Brasil na Praia de Itaúna e outro vencedor do Oi Rio Pro também esteve na Coletiva de Imprensa, John John Florence, campeão da última edição na Barra da Tijuca, antes da mudança para Saquarema, além das brasileiras da elite mundial, Silvana Lima e Tatiana Weston-Webb.
“É muito bom estar de volta ao Brasil e muito bom poder competir aqui novamente, porque Saquarema é um lugar especial”, disse Filipe Toledo. “Assim como o Gabriel (Medina), eu disputei muitos campeonatos amadores aqui, tive grandes vitórias, então poder voltar aqui e ver toda a galera, os locais, e poder surfar essas ondas, é muito gratificante. A expectativa é sempre a melhor, de poder fazer uma boa performance pra todo mundo e espero fazer um bom campeonato, como foi no ano passado”.
A primeira defesa do título de Filipe Toledo no Oi Rio Pro será na quarta bateria, contra o havaiano Sebastian Zietz e o português Frederico Morais. Ela irá acontecer antes do confronto 100% verde-amarelo da primeira fase, da estreia do único brasileiro com chances de brigar pela liderança do ranking em Saquarema, Italo Ferreira, com Deivid Silva e Mateus Herdy, atual campeão mundial Pro Junior da World Surf League e um dos convidados da etapa brasileira.
A australiana Stephanie Gilmore também estava feliz em voltar à Saquarema, depois de conquistar sua primeira vitória no Brasil no ano passado. Ela já começou bem a temporada e chega em Saquarema com a lycra amarela do Jeep Leaderboard, liderando a corrida por um oitavo título mundial, feito que nenhuma mulher conseguiu na história da World Surf League. Sua primeira apresentação esse ano será na terceira bateria, com a havaiana Coco Ho e a vencedora da triagem na quarta-feira, a jovem catarinense Tainá Hinckel.
“Hoje (quarta-feira) eu tive boas lembranças da minha primeira vitória no ano passado e como foi divertido aqui”, disse Stephanie Gilmore. “Foi muito importante pra mim vencer um CT no Brasil e isso teve um grande efeito para conquistar o título mundial. A torcida brasileira é sempre muito acolhedora, o tempo está maravilhoso, com Sol, boas ondas e é ótimo estar de volta a Saquarema. Eu quero muito ganhar de novo, mas sei que vai ser um grande desafio, porque todas as meninas estão surfando muito bem”.
Quem ainda não conseguiu isso, de vencer um CT no Brasil, é o bicampeão mundial Gabriel Medina, que não teve um bom início de temporada na Austrália e ocupa a 12.a posição no ranking 2019 da World Surf League. No ano passado, ele parou no australiano Wade Carmichael nas quartas de final em Saquarema e seu melhor resultado nas quatro edições do Oi Rio Pro foi em 2016 na Barra da Tijuca, quando ficou em terceiro lugar, perdendo nas semifinais para o australiano Jack Freestone, vice-campeão na final com John John Florence.
“Estou feliz por estar competindo aqui no Rio e é sempre bom competir no Brasil”, destacou Gabriel Medina. “Aqui a gente tem a nossa família perto, os amigos, a torcida então, nem se fala, é incrível, então é um lugar que a gente tem uma motivação a mais. A praia fica sempre cheia, todo mundo assistindo, além de ser em nosso país, então estou feliz em estar de volta”.
Outro bicampeão mundial, de 2016 e 2017, também tem um sentimento especial pelo Brasil, pois foi onde o havaiano John John Florence venceu sua primeira etapa do World Surf League Championship Tour, exatamente o Oi Rio Pro em 2016 no Postinho da Barra da Tijuca. Ele sofreu uma contusão no ano passado, mas mostrou estar em plena forma, ganhando duas das quatro etapas já disputadas esse ano, a de Bells Beach e a de Margaret River, ambas na Austrália. Com isso, já abriu mais de 5.000 pontos de vantagem sobre o segundo colocado no ranking, o californiano Kolohe Andino.
“Eu sempre tive uma relação muito boa com o Brasil”, disse John John Florence. “Foi aqui onde eu venci meu primeiro CT e é um país que eu sempre fico com muita vontade de voltar para competir. A energia e a paixão que a torcida brasileira passa pra gente é enorme, fazendo com que você arrisque manobras maiores e mais impressionantes para o público. É isso, principalmente, que me deixa sempre empolgado para vir para o Brasil”.
A gaúcha Tatiana Weston-Webb também falou sobre a energia da torcida brasileira. Ela sempre morou no Havaí desde criança e começou a competir no Circuito Mundial como havaiana, mas mudou de nacionalidade para poder representar o país onde nasceu na estreia do surfe nos Jogos Olímpicos de Tokyo 2020 no Japão.
“Eu estou bem orgulhosa de representar o Brasil, é uma honra pra mim e espero representar bem o país onde eu nasci”, disse Tatiana Weston-Webb. “O Brasil tem o melhor apoio de torcida em todo o mundo, certamente. Competir aqui é muito bom, porque você sente toda a ‘vibe’ dos brasileiros e eu me sinto muito bem com esse apoio que recebo de todos”.
Já a cearense Silvana Lima vive um momento diferente da gaúcha. No ano passado, sofreu uma grave contusão no joelho e teve que operar os dois. Ela nem competiu nas duas primeiras etapas da temporada na Austrália e só retornou na terceira, em Keramas, na Indonésia, onde surfou bem e foi até as quartas de final, quando perdeu para a australiana Sally Fitzgibbons.
“Não foi fácil, porque foi a quarta cirurgia, então foi bem complicado, pois não foi só um joelho, foram os dois”, contou Silvana Lima. “Aí veio todo aquele pensamento de ter que começar do zero tudo de novo. Foram sete meses de muita força de vontade, mas Graças a Deus, dessa vez eu tive um suporte muito bom, do Personal Boards de São Paulo e do COB (Comitê Olímpico Brasileiro) também aqui no Centro de Treinamento do Rio, então eu vim bem mais preparada dessa vez e estou feliz por estar de volta ao tour e em Saquarema”.
As duas brasileiras vão estrear juntas na quinta bateria da primeira fase do Oi Rio Pro 2019, disputando duas vagas para as oitavas de final com a mesma australiana Sally Fitzgibbons que derrotou a cearense no seu melhor resultado esse ano. As duas primeiras colocadas se classificam, mas a última tem outra chance de classificação na segunda fase, quando se inicia as baterias eliminatórias nas etapas do World Surf League Championship Tour.
O Oi Rio Pro 2019 será realizado com os patrocínios da Oi como “naming rights” da etapa brasileira do World Surf League Championship Tour e da Corona, Jeep, Harley Davidson, Polo Blue, Red Bull, Subway, Havaianas e apoio da Prefeitura Municipal de Saquarema e do Governo do Estado do Rio de Janeiro pela Secretaria Estadual de Esporte, Lazer e Juventude (SEELJE), através da Lei de Incentivo à Cultura e ao Esporte. O evento da World Surf League também conta com o apoio institucional da Confederação Brasileira de Surf (CBSurf), Federação de Surf do Estado do Rio de Janeiro (FESERJ), Associação de Surf de Saquarema (ASS) e será transmitido ao vivo pelo www.worldsurfleague.com


A OI E O ESPORTE - A Oi acredita no potencial de transformação do esporte e patrocina grandes eventos esportivos como o Oi Rio Pro, Oi Pro Júnior – voltado para a categoria de base do surfe – e Oi STU Open. Além de apoiar atletas de diferentes modalidades, como os surfistas Gabriel Medina, Italo Ferreira, Filipe Toledo, Silvana Lima, Adriano de Souza, Tatiana Weston-Webb, Davizinho e Tainá Hinckel, e os skatistas Pedro Barros e Leticia Bufoni, a companhia acelera, em parceria com o Instituto Ekloos e apoio do Oi Futuro, cinco projetos de surfe na Região dos Lagos do Rio de Janeiro, que são voltados para a população local. A Oi também patrocina a equipe de judô Oi Sogipa, no Rio Grande do Sul.

SOBRE A WORLD SURF LEAGUE - A World Surf League (WSL) tem como objetivo celebrar o melhor surfe do mundo nas melhores ondas do mundo, através das melhores plataformas de audiência. A Liga Mundial de Surf, com sede em Santa Mônica, na Califórnia, atua em todo o globo terrestre, com escritórios regionais na Austrália, África, América do Norte, América do Sul, Havaí, Europa e Japão.
A WSL vem promovendo os melhores campeonatos do mundo desde 1976, realizando mais de 230 eventos globais masculinos e femininos no ano para definir os campeões mundiais do World Surf League Championship Tour, Big Wave Tour, Redbull Airborne, Qualifying Series e das categorias Junior e Longboard, além do WSL Big Wave Awards. A Liga tem especial atenção para a rica herança do esporte, enquanto incentiva a progressão, inovação e desempenho nos mais altos níveis, para coroar os campeões de todas as divisões do Circuito Mundial.
Os principais campeonatos de surf do mundo são transmitidos ao vivo pelo www.worldsurfleague.com e pelo aplicativo grátis da WSL, para uma enorme legião de fãs interessados em ver as grandes estrelas, como Kelly Slater, Stephanie Gilmore, Tyler Wright, Gabriel Medina, John John Florence, Lakey Peterson, Grant Baker, Keala Kennelly, Paige Alms, Kai Lenny, Steven Sawyer, Soleil Errico, Carissa Moore, Courtney Conlogue, entre outros, competindo no campo de jogo mais dinâmico e imprevisível de todos os esportes no mundo.

PRIMEIRA FASE DO OI RIO PRO – 1.o e 2.o=Terceira Fase e 3.o=Segunda Fase:
1.a: Kanoa Igarashi (JPN), Peterson Crisanto (BRA), Jadson André (BRA)
2.a: Gabriel Medina (BRA), Adrian Buchan (AUS), Soli Bailey (AUS)
3.a: Kolohe Andino (EUA), Yago Dora (BRA), Adriano de Souza (BRA)
4.a: Filipe Toledo (BRA), Sebastian Zietz (HAV), Frederico Morais (PRT)
5.a: Italo Ferreira (BRA), Deivid Silva (BRA), Mateus Herdy (BRA)
6.a: John John Florence (HAV), Caio Ibelli (BRA), Alex Ribeiro (BRA)
7.a: Jordy Smith (AFR), Willian Cardoso (BRA), Ricardo Christie (NZL)
8.a: Julian Wilson (AUS), Michael Rodrigues (BRA), Ezekiel Lau (HAV)
9.a: Conner Coffin (EUA), Kelly Slater (EUA), Griffin Colapinto (EUA)
10: Owen Wright (AUS), Seth Moniz (HAV), Jack Freestone (AUS)
11: Ryan Callinan (AUS), Wade Carmichael (AUS), Jessé Mendes (BRA)
12: Jeremy Flores (FRA), Michel Bourez (TAH), Joan Duru (FRA)

PRIMEIRA FASE FEMININA – 1.a e 2.a=Oitavas de Final e 3.a=Segunda Fase:
1.a: Caroline Marks (EUA), Nikki Van Dijk (AUS), Macy Callaghan (AUS)
2.a: Carissa Moore (HAV), Johanne Defay (FRA), Keely Andrew (AUS)
3.a: Stephanie Gilmore (AUS), Coco Ho (HAV), Tainá Hinckel (BRA)
4.a: Lakey Peterson (EUA), Brisa Hennessy (CRI), Paige Hareb (NZL)
5.a: Sally Fitzgibbons (AUS), Tatiana Weston-Webb (BRA), Silvana Lima (BRA)
6.a: Courtney Conlogue (EUA), Malia Manuel (HAV), Bronte Macaulay (AUS)
Coletiva de Imprensa (Thiago Diz / WSL via Getty Images)


 

Ecovias

ecovias