Karatecas conquistam vagas para disputa em outro estado

O grupo karateca de Mongaguá foi classificado para participar de nova etapa do Campeonato Brasileiro Zonal, no Espírito Santo, a ser disputado entre os dias 8 e 11 de junho. Dos alunos participantes, quatro deles já possuem vaga garantida na disputa final realizada em Salvador. Para se classificarem, os atletas conquistaram lugar no pódio do Campeonato Paulista de Karate no último mês.karatê

Segundo a treinadora Cristiane Maria do Valle, mais conhecida Kika, o diferencial da próxima etapa será a faixa etária que se estenderá, colocando no tatame crianças abaixo de 10 anos. Um exemplo disso é Davi de Oliveira Martins, de 6 anos, que é vice-campeão paulista e luta desde os 3. Os pais da criança, Caio Martins de Campos e Jéssica de Oliveira Silvano, sempre o incentivam. “O acompanhamos nas competições. Quando não podemos ir juntos, vai um de nós. Fico mais nervosa do que ele e muito feliz com a sua dedicação”, comentou Jéssica.

Para a aluna Larissa Duarte, que ficou com medalha de ouro no campeonato paulista, a vitória foi uma surpresa “Não esperava ganhar, o jogo virou de última hora, com apenas sete segundos para acabar”, comentou.

Sensei há 28 anos, Francisco José Filho, além de ensinar a turma, é pai da atleta Khatlen Nogueira José, de 9 anos. Ela ficou em terceiro lugar na disputa e, conforme Francisco, é um presente. “Tinha um projeto na escolinha que ela participou e a fez entrar na modalidade. Nem é incentivo meu, apenas apoio. É excepcional não só minha filha como todos os seus colegas. É um orgulho imenso para qualquer pai, sendo karateka então, mais ainda”, relatou.

PROBLEMAS - Conforme Kika, o fator de maior dificuldade é a falta de apoiadores. Um exemplo disso são os sete alunos que já tem vaga na final e não viajarão por falta de patrocínio. “A nossa esperança é que todos os classificados um dia tenham condições para disputar. As crianças conquistaram com muito sacrifício e treino. Muitas vezes os pais nem gastam dinheiro agora porque sabem que caso avancem às finais elas não vão”, disse.

A academia não recebe nenhuma ajuda da Prefeitura. Quando é possível, o vereador da cidade Carlos Cafema os ajuda na passagem, entretanto não é o suficiente para atender a todos, pois, segundo Kika, existe estadia, uniforme, transporte e alimentação a serem cuidados, totalizando cerca de R$1,100 mil por aluno.   

A academia ‘Kika Dojô’ fica na Avenida Monteiro Lobato, número 4442, Vila Atlântica. 

 

Crédito: Eduardo

Larissa França

 

Ecovias

ecovias