Festa comemora um ano do Museu do Surf

Para comemorar o primeiro ano do Museu do Surf de Praia Grande será realizada uma mega festa no dia 26 de abril, a partir das 21h, no espaço Flor House, no bairro Aviação. O museu é itinerante e foi aberto ao público pela primeira vez em 19 de abril de 2012, no bar Vila Bohemia. Desde então, os idealizadores do projeto trabalham para conseguir um espaço para que o Museu possa ter um local fixo.

O evento comemorativo, realizado em parceria com a Associação de Surfe de Praia Grande, Associação de Stand Up Padlle e Associação de kitesurf, espera reunir cerca de 500 pessoas, entre simpatizantes e praticantes do esporte. O ingresso custa R$ 10,00 antecipado e pode ser encontrado nas lojas Riptide, Megatons, 1One, Wall Water, Tenan, Laerte Automóveis, H20 SurfWear e outras.

Quatro atrações prometem agradar o público: FluidEnergy, Malana Tchains, Cidadão Blindado e Ducasco. Vocalista da banda Malana Tchains, Izidro Tupi, comentou que a banda tocará rock nacional e um pouco internacional. O grupo foi formado em um final de tarde depois do surfe e é composto por cinco amigos de Praia Grande (Izidro, Nelson, Sidnei , Eliude e Lima). “Além da Malana Tchains, tenho certeza que todos os outros músicos das outros três bandas farão apresentações incríveis.”

Além das atrações musicais, a festa vai contar com VJ, Pirofagia, slackline , X-Board, piscina com cascata, sorteio de pranchas e distribuição de brindes. O Espaço Flor House fica na rua João Ramalho, nº 250, no bairro Aviação.

 

MUSEU - De acordo com um dos idealizadores do projeto, José Luiz Amaral, o Museu conta com revistas de surfe dos anos 60 e 70, cartas de campeonatos do País, pedras de praias famosas no mundo do surfe, quadros de surfistas históricos da região, além de pranchas de todos os tipos, que foram de surfistas pioneiros. “Temos os objetos e as histórias. Nosso objetivo é que a nova leva de surfistas conheça a história do esporte em Praia Grande e região. Fazemos um apelo por um espaço, para que o museu seja fixo na Cidade. É pelo bem e incentivo do esporte.”

João Luiz completou dizendo que a idéia do museu surgiu há uns cinco anos, em uma conversa com amigos e amantes do esporte.. “Trabalho na confecção de pranchas há 38 anos e às vezes via umas raridades, já que meus clientes traziam uma velha e levavam uma nova, fui guardando até que formei um acervo legal.”

José Luiz trabalhou por alguns anos fora do País, conviveu com o mundo do surfe e viu museus de todo o tipo. “Em Santos já existe o Museu do surf e Itanhaém está se organizando. Porque não fazer um fixo em Praia Grande? Já temos material e história. Além disso, Praia Grande teve grandes nomes no surfe e até hoje, está bem representado no cenário profissional. Só falta um espaço físico para os amantes do surfe. Um espaço para contar a história do esporte em Praia Grande.”

 

 

 

CRÉDITO FOTO: Eduardo Oliveira
11:25  Quinta-feira
18 de Abril de 2013

 

Ecovias

ecovias